sexta-feira, 23 de março de 2012

Google usa “não rastrear” para coletar mais dados de usuários

Em janeiro de 2012, o Google anunciou que iria consolidar as mais de 70 políticas de privacidade distintas que regulavam todos os produtos da companhia em uma única, que passará a ser válida em 1º de março de 2012.





A gigante das buscas justifica que a decisão vai ao encontro do pedido dos países de tornar as regras mais claras e, é claro, mais curtas. No entanto, o que se pode ler, nas entrelinhas do CEO Larry Page, é que o Google está dando um passo para trás para, na verdade, dar dois para frente.

A medida mais evidente é a criação de um botão “DNT” (Do not track, em português, “não rastrear”). Por meio dele, o usuário poderá definir a permissão para o Google sobre coletar e utilizar os dados do usuário para levantamentos, medidas de comportamento e diretrizes comerciais. É um avanço em favor da privacidade do internauta na rede. O que está por trás disso, porém, é que, uma vez que o botão “DNT” não for marcado, o gigante poderá fazer muito mais com os dados coletados.

A nova política de privacidade não permite que o Google retire, dos perfis do usuário, mais informações do que já são tiradas atualmente. O que muda é a finalidade dada a elas. A partir deste 1º de março, o gigante poderá fundir dados de modo mais profundo e desenhar cenários mais complexos para servir de base – e de alvo comercial – para diversos produtos da companhia ao mesmo tempo. Os dados da conta do Google+, rede social do Google, poderão ser fundidos com os da conta do Gmail, serviço de email da empresa, por exemplo, para estratificar de modo mais elaborado quem é o usuário na rede.

As mudanças não serão perceptíveis pelos usuários e não devem influenciar no dia a dia deles na utilização dos produtos da empresa, como o buscador, o Gmail, o Google+ e o YouTube, por exemplo. Até porque tudo o que o Google irá fazer com os dados, ele já poderia ter feito com ou sem o consentimento do usuário em qualquer época. A diferença é que, até então, os dados eram “ilhas isoladas” e o que um internauta faria no blog em uma conta do Blogger não tinha relação com o vídeo a que ele assistia no YouTube, por exemplo.

O ganho da companhia é comercial, a longo prazo. Anúncios com alvo mais claro podem se tornar mais eficazes. Se alguém posta fotos de um determinado local de viagem na rede social, por exemplo, publicidade relacionada a este local pode aparecer na página do YouTube, ou no próprio buscador da empresa. O efeito da nova política, para o usuário, é ter produtos que, embora tenham sido desenvolvidos para o consumo em massa, devem ser cada vez mais personalizados.

Há um ano, em janeiro de 2011, Larry Page, que é um dos fundadores do Google, assumiu o cargo de CEO – aquele que executa as medidas – no lugar de Eric Schmidt com o objetivo de fortalecer a companhia como desenvolvedora forte de produtos, e não somente de soluções. A criação do Google+ e o fôlego que ele ganhou, embora ainda pequeno perto do monstro chamado Facebook, são evidências disso. Unificar todos os produtos do Google é transformar a política de privacidade em moeda de venda. E, de venda e de produto, Larry Page entende.

Fonte : upinside.com.br

Nota:

0 comentários:

Postar um comentário

Proibido palavras ofensivas, racistas ou descriminatórias.

[Seu Comentário será liberado no máximo em 24horas]